Xamanismo

Xamanismo Moderno

“Você parece mais moderno do que eu pensava que seria”, disse o visitante enquanto nos sentamos na minha confortável sala de estar com vista para o oceano que rodeia a ilha de Kaua’i. Ele olhou para a minha TV de tela grande, o videocassete e a paisagem marinha Tabora na parede com um leve vestígio de desaprovação. Claramente, não correspondi ao modelo do que um xamã deveria parecer.

Sua observação era típica de muitos visitantes que esperavam – talvez até mesmo – encontrarem-me com algum tipo de manto ou sarong e vivendo em simplicidade primitiva numa caverna ou numa floresta longe das comodidades da civilização. A ideia geral é que tal configuração de alguma forma me deixaria mais autêntico. Eu até pensei em encontrar tal ponto, tendo uma saia e uma capa de folha, e dando a todos os meus visitantes um bom show que combinasse confortavelmente suas ideias pré-concebidas. O xamanismo, no entanto, não se limita a um determinado local ou estilo de vestimenta ou ambiente cultural. É uma maneira de pensar e agir que desafia fronteiras e limitações de qualquer tipo, e ainda as usa quando se trata de um propósito.

Nos velhos e antigos dias, o xamã – que era um curador de mente, corpo e circunstâncias – estava bem no meio da vida tribal ou da aldeia. Ele ou ela também poderia desempenhar o papel de sacerdote/sacerdotisa, ou chefe/chefa, se não houvesse mais ninguém para preencher esses papéis, mas o papel principal era sempre o do curador. O xamã participava do trabalho, do jogo e das atividades culturais da aldeia e, muitas vezes, usava cada um desses para fins de cura, especialmente as atividades culturais de arte, música, dança e ritual. Em algumas culturas, o xamã usava roupas diferenciadas e apenas se envolvia em certas atividades, enquanto que em outras, era impossível falar com ele ou ela, a menos que fosse família, amigo ou conhecedor.

Quando os serviços do xamã eram convocados, havia sempre uma compensação adequada em bens ou serviços de algum tipo, de acordo com a estrutura econômica local. No antigo Havaí, por exemplo, aqueles que usaram as habilidades de cura do xamã poderiam, em troca, dar frutas e vegetais, gado, ferramentas, esteiras ou roupas. Ou eles poderiam dar seus serviços de pesca, agricultura, artesanato ou limpeza por um determinado período. O ponto importante é que o xamã era uma parte da comunidade, compartilhando sua vida e esperanças, sonhos e proximidade. O isolamento do xamã da comunidade ocorreu apenas em tempos de repressão religiosa ou política, e mesmo assim sempre houve ligações mantidas com alguns membros da comunidade.

Agora, o xamanismo está experimentando um renascimento de interesse e liberdade. Agora, o xamã está voltando para a comunidade onde ele/ela pertence de uma maneira viável, vital e visível. Não é necessariamente mais fácil agora, mas é extremamente importante que os novos xamãs que estão lembrando e revivendo as habilidades antigas se tornem parte integrante da sociedade de hoje, se tornem xamãs modernos em todos os sentidos da palavra.

Um xamã moderno (ou xamã “urbano”, como costumo dizer) é aquele que usa o conhecimento antigo no contexto do nosso ambiente social e cultural atual. Com frequência, digo aos aprendizes que qualquer um pode ser um xamã na floresta (onde não há pessoas para atravessar o caminho); A tarefa difícil é ser um xamã na cidade. E, no entanto, o xamã pertence onde as pessoas estão. Isso não significa que o xamã moderno deve viver no centro da cidade ou em um bairro lotado, ou em um subúrbio em rápido crescimento, mas isso significa que ele ou ela se integra e é acessível para aqueles que devem ser ajudados. A difícil tarefa de ser um xamã moderno é mais difícil pelo fato de que o xamanismo, recentemente, começou seu avivamento e não tem uma forte base de apoio na cultura de hoje. Na ausência de tal apoio, os xamãs precisam se ajudar. O sucesso dos xamãs modernos, então, dependerá da adaptabilidade, integração e cooperação.

O conhecimento do xamã tem a ver com a consciência e a capacidade de direcionar os poderes da mente e as forças da natureza. Adaptar a sabedoria antiga à sociedade moderna é um processo bastante simples porque os seres humanos ainda têm os mesmos desejos de saúde, riqueza e felicidade, e as mesmas emoções de amor, raiva e medo. E a Natureza ainda tem os mesmos elementos básicos de (para usar a versão havaiana) Fogo, Água, Vento e Pedra. O trabalho de cura do xamã ainda é, como sempre foi, mudar as crenças e expectativas para mudar a experiência. A sabedoria e sua aplicação são as mesmas, apenas o contexto é diferente. Um antigo xamã na floresta profunda de uma ilha vulcânica usando suas mãos para curar uma ferida de um javali e um xamã moderno em um prédio de apartamentos nas alturas com as mãos para curar uma ferida de um gato doméstico usa a mesma sabedoria. Um antigo xamã que desvia um fluxo de lava para salvar uma aldeia e um xamã moderno acalmando o vento para manter um incêndio florestal queimando um subúrbio usa a mesma sabedoria. As habilidades xamânicas de telepatia, liberação de energia, manifestação, mudança de forma, bênção, mudança de crença e jornada interna não são afetadas pelo tempo. Tudo o que tem que ser feito é adaptá-los às circunstâncias existentes.

A integração é mais difícil na sociedade de hoje devido a sua variedade e a sua complexidade. A maioria dos xamãs antigos tinha apenas um ou muito poucos sistemas sócio-culturais para lidar e, portanto, um número limitado de crenças para trabalhar. Hoje, no entanto, há uma vasta mistura de sistemas sociais, culturais, religiosos e filosóficos radicalmente diferentes que o xamã moderno deve expandir constantemente seu conhecimento e manter uma consciência excepcional das crenças prevalecentes de sua comunidade e seus indivíduos através de maior desenvolvimento das faculdades intuitivas, bem como prestando muita atenção às informações fornecidas pela mídia.

Mais do que nunca, existe a necessidade de cooperação entre os xamãs modernos para manter e ampliar a sabedoria, dar-se apoio moral e prático (mesmo os xamãs precisam de amigos e ajudantes) e ampliar a aplicação do xamanismo aos problemas modernos. Minha solução foi formar a Aloha International, uma rede mundial de pessoas que estudam e praticam a tradição xamânica havaiana, mas também há uma cooperação entre os xamãs de diferentes tradições. É verdadeiramente a cooperação necessária, porque o xamanismo é verdadeiramente uma filosofia não hierárquica e democrática. Há uma enorme quantidade de trabalho de cura para fazer, em nós mesmos e para o mundo em geral. Deixe-nos fazê-lo juntos em um espírito de Aloha* real.

Serge Kahili King

Nota da tradutora: A palavra Aloha é uma saudação, porém ela carrega muito mais do que um simples cumprimento, significa poder compartilhar e emanar boas vibrações, é um estado de espírito.

Tradução: Tatiana Menkaiká

Fonte: Aloha International – http://www.huna.org

Você Também Pode Gostar

Comentários

Deixe uma resposta

 

Scroll Up